Paisagismo em Estações de Metrô: Planejando a Paisagem com a Infraestrutura de Transportes

O trecho já implantado da Linha 15-Prata apresentou algumas características inovadoras no agenciamento de infraestruturas verdes em empreendimentos metroferroviários. Sua qualificação ambiental através da caminhabilidade, com a criação de espaços diferenciados ao longo do trajeto da linha ligados à fruição, práticas de esportes, educação ambiental, estar, além de passagem, denota a associação intrínseca do projeto de paisagismo à configuração espacial da infraestrutura de transportes, em função de suas características e da região onde foi inserida.
A nova etapa ora em desenvolvimento trouxe a oportunidade de continuação da aplicação de conceitos de qualificação ambiental através de infraestruturas verdes, especificamente nos locais de implantação das estações Boa Esperança e Jacu-Pêssego. Aspectos como integração com o entorno, criação de espaços públicos qualificados e utilização de elementos construídos e vegetação de forma combinada visam minimizar aspectos potencialmente negativos da inserção da infraestrutura de transportes no tecido urbano existente, ainda que de ocupação relativamente recente e pouco consolidado. Portanto, buscou-se a integração entre o entorno e os novos elementos construídos nas áreas desapropriadas, visando à redução da percepção das cicatrizes resultantes da inserção dos novos elementos, com a intenção de conciliar aspectos da topografia à implantação dos edifícios e da vegetação por uma prática baseada na interdisciplinaridade.
Ainda, buscou-se ampliar a aplicação de infraestruturas verdes, especificamente os jardins de chuva, além da experimentação da prática da fitorremediação, que busca utilizar espécies vegetais para a remoção de elementos contaminantes do solo. Juntamente, procurou-se a aplicação de maneira mais intensiva de espécies vegetais nativas, atentando-se para espécies dos biomas de Mata Atlântica e de Cerrado. Ainda que este último não esteja associado popularmente ao município de São Paulo, pesquisas recentes têm apontado a pré-existência de formações vegetais com essas características, presentes de forma recorrente na toponímia de toda a região da capital. A falta de conhecimento sobre esses elementos tem demonstrado a importância de se intensificar sua aplicação na recuperação de áreas naturais, tanto quanto sua aplicação no paisagismo, pelo seu viés cultural e educativo. Dada a escala da infraestrutura metroviária, além do potencial de gerar novas reflexões e servir de referencial, tais projetos têm ainda a capacidade de impactar objetivamente no meio ambiente urbano, contribuindo para a aplicação desses conceitos na prática, alinhados com o ODS (Objetivo de desenvolvimento sustentável - ONU) 11: "Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilietnes e sustentáveis".

Palestrante

Michel Hoog Chaui do Vale

Gestor de Projetos

Arquiteto e Urbanista pela FAU USP, mestre em Planejamento Urbano e doutorando pela mesma instituição, técnico em Paisagismo (SENAC), especialista em Engenharia Urbana (UFRJ), MBA em Excelência Metroviária (FIA), PMP.
Arquiteto paisagista na Gerência de Projetos do Metrô de SP.

Patrocínio Diamante
Patrocínio Ouro
Patrocínio Prata
Patrocínio Individual
Parceiros
Apoio Institucional
Empresas Parceiras
Apoio de Mídia
Realização Logo AEAMESP
Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô

Rua do Paraíso, 67 - 2 andar - São Paulo - SP - CEP 04103-000

(11) 3287-4565 - (11) 3284-0041 - www.aeamesp.org.br

eventos@aeamesp.org.br

Comercialização Logo Via Brasil Comunicação
Via Brasil Comunicação
Sobre os cookies em nosso site

Nós usamos cookies para compreender o que o visitante do evento precisa e melhorar sua experiência como usuário. Ao clicar em “Aceitar” você estará de acordo com o uso desses cookies. Saiba mais!